15
set
10

Amyr Klink

Muitos anos atrás um livro caiu em minhas mãos: “Cem Dias Entre Céu e Mar”, do Amyr Klink. Não me lembro se já tinha lido ou ouvido alguma coisa sobre o Amyr antes disso, mas sei que depois dessa leitura ele se tornou uma grande referência em minha vida e ganhou minha profunda admiração.

Dono de uma capacidade de organização e planejamento impressionantes, faz as viagens mais complexas parecerem brincadeira. Frequentemente chamado de “aventureiro”, rejeita o título que lhe é atribuído pois, segundo ele, aventura envolve sorte, improviso, despreparo, tudo do que ele foge em suas viagens.

Cada um de seus feitos teve início ainda em terra, com o planejamento dos barcos, a pesquisa de materiais, e a contrução efetiva. Ele participa ativamente de todas as etapas, e ao final do processo conhece a embarcação em seus mínimos detalhes, seus potenciais e fragilidades. Ainda em terra, também, se debruça sobre cartas marítimas e lê um extenso material sobre o trajeto pretendido. Traça cada linha com um conhecimento prévio da região percorrida, aproveitando o conhecimento e as experiências de outras pessoas.

Nesse primeiro livro ele relata a travessia do Atlântico que fez em um barco a remo em exatos cem dias. Depois desse ainda vieram: “Paratii Entre Dois Pólos”, sobre a viagem em que, com seu veleiro, foi sozinho à Antártica e depois ao Ártico, para então retornar à sua Paraty; “Mar Sem Fim”, que conta a volta ao mundo que fez com seu veleiro em mais uma viagem solitária; “As Janelas do Paratii”, um belíssimo livro de fotografias da viagem de volta ao mundo; e “Linha D’Água”, sobre a construção do barco Paratii2 e uma viagem com família e amigos para a Antártica.

No começo do ano estive em São Francisco do Sul, onde fica o Museu Nacional do Mar. No museu existe a sala “Amyr Klink” onde estão expostos vários ítens que fizeram parte de suas viagens, inclusive IAT, o barco a remo com que ele atravessou o Atlântico. Para quem estiver em Florianópolis, Camboriú ou outra cidade ali por perto, é um passeio que vale muito a pena.

A emoção da visita ao museu só não foi maior do que a que tive no final de 2006, quando foi feita uma sessão de autógrafos no lançamento do livro “Linha D’Água”, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo. Primeira da fila, tive o prazer de conversar com ele durante alguns minutos enquanto ele calmamente autografava cada um de meus livros. Foi quando vi que, com tudo o que ele já fez, é uma pessoa tão simples, simpática e acessível. Se já tinha a minha admiração, ali conquistou-a definitivamente.

Anúncios

5 Responses to “Amyr Klink”


  1. 1 Maria
    julho 17, 2013 às 10:35 pm

    estou lendo Cem dias entre céu e mar, sr. Amyr foi muito corajoso, não deixa de ser um exemplo de vida.
    Maria

  2. 2 barufa
    setembro 16, 2010 às 10:07 am

    Gostei demais do “Cem Dias Entre Céu e Mar” também. Os outros ainda não li. Ainda.

  3. setembro 16, 2010 às 12:19 am

    Oi Flávia,
    Legal saber que o Amyr Klink, além de tudo, é uma pessoa tão gente boa. Já pensou se todo mundo fosse assim? Seria bom demais para ser verdade.
    Abraços!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


setembro 2010
D S T Q Q S S
« ago   out »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Categorias

Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email.

Junte-se a 3 outros seguidores

Acessos ao Site

  • 13,297 acessos

%d blogueiros gostam disto: